Artigo nº 69 - Revista DeFato- Ano 6 Nº 56

Link Original: http://www.revistadefato.com.br/internet/internet.htm 

EXCLUSÃO DIGITAL - Todos querem entrar na rede

RevistaDeFato.jpg (240021 bytes)

Cintia Esteves

RevistaDeFatoEditada.jpg (121172 bytes) A exclusão digital ainda é um problema no Brasil,
mas já existem iniciativas para resolver a questão
horacio05.jpg (309173 bytes)

Fazer pesquisas, tirar extratos, ler notícias e baixar músicas na internet são uma realidade para muitos brasileiros. Mas ainda tem gente que não faz idéia do que seja a rede mundial de computadores. Segundo pesquisa do Ibope/Net Ratings (dezembro de 2004) o Brasil tem 18,6 milhões de usuários domiciliares com acesso a Internet. Para um país com mais de 180 milhões de habitantes estes dados mostram que ainda temos de caminhar muito.

Mas as iniciativas para minimizar a exclusão digital estão por aí. Uma delas é o Programa Governo Eletrônico - Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac). Este projeto do governo federal tem como objetivo disponibilizar acesso gratuito à Internet banda larga às camadas C, D e E da sociedade. O programa tem hoje 3.200 unidades de comunicação com um total de 22 mil terminais conectados à Internet que funcionam em telecentros, escolas e unidades militares.

Cada unidade do Gesac possui entre 10 e 20 computadores conectados. O uso dos equipamentos é livre e paralelamente são fornecidos cursos básicos de informática e oficinas especiais à população. Comunidades rurais, indígenas e quilombolas são alguns exemplos de regiões remotas atendidas. O governo estadual também está se mexendo. O Programa Acessa São Paulo fornece acesso gratuito à Internet através dos infocentros.

A “maldição” dos cursos
Para o diretor do Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos, Carlos Seabra, existe uma expectativa da população que para aprender algo é necessário fazer curso. Mas segundo Seabra, que também foi coordenador do Centro de Inclusão Digital e Educação Comunitária da Escola do Futuro da USP, para um melhor aprendizado, o contato com a Internet deve ser feito a partir dos interesses específicos de cada pessoa.
(...)