Home | @busar | FAQ | Notícias | Processos | Imprimir | CADASTRO | ATUALIZAÇÃO | PAGAMENTO | SEU IP : 54.162.166.214
ABUSAR e INTERNET 
Apresentação
Como se inscrever
Benefícios
Atualizar Cadastro
Teste de LOG OFF
Perguntas freqüentes
Links recomendados
Contatos
Custos

Biblioteca
Dados Internet Brasil 
Material de imprensa
Notícias: News Fórum
Notícias publicadas
Termos/Cond. de Uso
Circulares
Linha do Tempo

LEGISLAÇÃO
Justiça
Processos
Regulamentação Anatel
Documentos
Consulta Pública 417

TECNOLOGIA
Manuais
Modems - Configuração
Testes de Velocidade
Conexão/Traceroute
Autenticação
Tutoriais
Tecnologias
VoIP
Portas
Provedores
Antivirus
Hardware Cabos
Linux: dicas de uso
Redes privadas VPN
Softwares (download)
FTP Abusar Pitanga

SEÇÕES
AcesseRapido
ADSL
AJato
BRTelecom
Cabo
Humor
Neovia
Rádio
Sercomtel
StarOne
TV Digital
Velox
Vesper Giro
Virtua

Serviços GDH


Guia do Hardware

Fórum GDH

Serviços ModemClub

SpeedStat
Teste sua conexão
Mostra IP
Descubra seu IP e Host Name
Suporte ModemClub

Fórum Banda Larga

Clube das Redes
Clube do Hardware
ConexãoDLink
Fórum PCs
InfoHELP -
Fórum
Portal ADSL - Fórum
PCFórum
- Fórum
Tele 171

Fale com a ABUSAR
Escreva ao Webmaster
Material de imprensa

Copyleft © 2002 ABUSAR.org
Termos e Condições de Uso

Speakeasy Speed Test

WEBalizer

Webstats4U - Free web site statistics Personal homepage website counter


Locations of visitors to this page
 
Artigo 162 Artigo 162
Segunda versão do PAC tira TI e Telecomunicações dos pilares de investimento
TIC mercado 31/03/2010
http://www.odisseu.com.br/ticmercado/Newsletter/95_31marco2010/index.html#materia1


Reges Bronzatti, vice-presidente da Assespro-RS

Diferente do Plano de Aceleração do Crescimento, lançado em maio de 2008, que deu destaque a itens como software e serviços de TI, microeletrônica, infaestrutura para inclusão digital, entre outros, o PAC 2, lançado na última segunda-feira (29) pelo presidente Lula, não priorizou as áreas de tecnologia da informação e telecomunicações. A segunda fase do programa prevê investimentos de R$ 1,59 trilhão em obras e, na prática, configura-se como uma espécie de PAC Social, nos quais se destacam ações de saneamento, energia, transporte e construção civil.

Na primeira versão do PAC, o setor de TI foi um dos pilares com incentivos à exportação e à política industrial. Mas, dessa vez, não foi considerado prioridade pelo governo. Da TV digital à banda larga, passando por softwares e microeletrônica, nenhum destes setores recebeu incentivos, apesar da expectativa ser grande antes do anúncio. Em janeiro, por exemplo, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, declarou que o Plano Nacional de Banda Larga contaria com uma linha de crédito específica no PAC 2. A medida que mais se aproxima das TICs é a que trata de “Praça do PAC”, que são espaços públicos com cineteatro, biblioteca, quadras esportivas e telecentros.

Tecnologia da Informação

O Setor de TI nacional, há muito tempo, não vem sendo contemplado como um setor estratégico na definição e condução de políticas de desenvolvimento, segundo Reges Bronzatti, vice-presidente da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, Software e Internet do Rio Grande do Sul (Assespro-RS). “Não temos um plano nacional, apenas lampejos de projetos isolados e desconectados. Não estar no PAC 2 só reforça a miopia que este governo e os últimos tiveram com relação à possibilidade de mudarmos a matriz econômica deste país e passarmos a comercializar inteligência e produtos de alto valor agregado”, diz.

“Apesar de, pessoalmente, considerar o PAC 2 um programa eleitoreiro, significa que não há sequer visão de médio prazo dentro deste atual governo e que pode se refletir nos próximos anos, se reeleitos, de que a TI brasileira poderia gerar milhares de empregos, alavancar inúmeras pequenas e médias empresas, por exemplo, com foco em produzir software para próprias empresas brasileiras e diminuir a balança comercial negativa neste segmento. Se o governo não for o indutor de uma política nacional de TI com vistas à solidificação das empresas brasileiras, jamais teremos uma, pois é ele o maior consumidor de TI do Brasil”, ressalta Bronzatti.

De acordo com o vice-presidente da Assespro-RS, a primeira fase do PAC pouco contemplou diretamente o setor de software e serviços de TI brasileiro. “O foco foi a desoneração tributária em cima do setor de hardware e equipamentos. Houve promessas de que haveria desoneração da folha de pagamento, mas a contemplação foi unicamente sobre exportadores de software, com clara vantagem competitiva para as multinacionais do setor (beneficiando a chegadas dos grandes players mundiais com foco a absorver uma mão de obra já escassa e formada pelas próprias empresas brasileiras), já que o entrave burocrático criado dificulta ou impossibilita este benefício às pequenas e médias empresas, genuinamente brasileiras”, acredita.

“Não temos hoje uma legislação própria para o setor, a terceirização da TI vem sendo estigmatizada como prejudicial aos trabalhadores, somos menos competitivos, tributariamente, que as empresas de TI da América Latina. As metas, se existem, jamais foram discutidas com o setor que o representa. Enfim, temos quase nada a comemorar em relação às ações governamentais focadas no segmento nestes últimos tempos. Há sim, o risco de, se o Governo Federal continuar nesta linha de atuação, acabarmos, muito em breve, com uma grande massa de empresas brasileiras em detrimento, unicamente, aos grandes players internacionais. O Brasil, de dimensão continental, precisa de todos: das multinacionais até as empresas nacionais. É preciso equilibrar a balança do desenvolvimento do setor, mas claramente não foi o PAC e não será o PAC 2 que resolverá isso”, declara Reges Bronzatti.

Banda larga

Apesar da promessa do governo, o PAC 2 não sinalizou recursos ou medidas estratégicas em relação ao Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). Como ainda não está estruturado e não se sabe como funcionará o plano, o governo evitou estimativas de investimentos, segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo Silva, que informou que o governo ainda não formatou o PNBL. “Esperávamos ter isso pronto em março, mas não houve possibilidade de agenda com o presidente, portanto não temos ainda o montante de recursos. Ou seja, não saiu no PAC 2 porque não temos os valores”, explicou.

materia03_2.jpg
Adelmo Santos, presidente da Abramulti

Para Adelmo Santos, presidente da Associação de Provedores de Internet e Empresas de Comunicação Multimídia do Brasil (Abramulti), causa preocupação a demora do governo em definir as bases do PNBL. “Os recursos para o setor e que não estão incluídos no PAC 2 podem vir com a elevação das estimativas de investimento orçadas em mais de R$ 900 milhões, podendo chegar a 1,5 trilhão entre 2011 e 2014. Queremos crer que o governo irá acomodar o PNBL dentro do PAC 2 sem que faltem recursos para os investimentos já declarados. Desta forma, se o PNBL for anunciado na reunião dos ministros com o Presidente Lula, no próximo dia 05 de abril, o plano poderá ser incluído no PAC 2 sem que isso signifique uma perda para o setor".

Santos acredita que os estudos que estão sendo desenvolvidos pela Casa Civil e pelo Ministério do Planejamento devem compensar o atraso do PNBL. “Para qualquer plano ser um sucesso, como quer o governo que seja este, muitos detalhes precisam ser revistos a todo instante, e é normal que ocorram atrasos. Entretanto, só não é possível ficar adiando a sua publicidade por tempo indeterminado. Todo o setor está paralisado, aguardando uma definição para que os empresários possam decidir onde aplicar os investimentos necessários para a concretização deste plano”, diz.

Horacio Belfort, presidente da Associação Brasileira dos Usuários de Acesso Rápido (ABUSAR), disse que o setor de banda larga perde competitividade ao ser deixado de fora do PAC 2. “Mantida a situação atual, os monopólios e oligopólios agradecem a manutenção de suas reservas de mercado. Desde o início, o projeto era mais político do que técnico, existiam muitas suposições, mas nada definido. Muito discurso, pouca definição. Inclusive a UNOTEL, empresa focada em soluções para provedores de internet e empresas de telecomunicações, já está utilizando a rede da Eletronet, e através de provedores, fornecendo banda larga em todo o país. Mas isso não é divulgado”, ressalta.

“Enquanto os políticos falam, a sociedade se mobiliza para atender suas próprias necessidades. O próprio governo está dividido, Rogério Santanna de um lado, Hélio Costa e grandes operadoras de outro, torpedeando o projeto de todas as maneiras possíveis e tentando garantir o seu quinhão do bolo, se ele realmente for assado”, acrescenta Belfort.

Metas para banda larga não foram cumpridas

Adelmo Santos diz que, no primeiro momento (PAC 1), o governo apostou nas operadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) para realizar a inclusão digital que ele desejava, entretanto estas empresas continuaram na sua "zona de conforto", escolhendo mercados para atuar, não baixaram seus preços e deixaram o resto do país sem acesso ao serviço de banda larga. “Quando o governo entendeu que os pequenos provedores do serviço de comunicação multimídia (SCM) eram aqueles que estavam criando um novo cenário e abrindo mercados, levando para as localidades onde as operadoras não queriam implantar o acesso à banda larga, resolveu apoiar este seguimento”.

“As operadoras já tiveram sua oportunidade com o primeiro PAC e, agora, é a nossa vez. E não adianta espernear porque os pequenos irão suprir as necessidades da população e o desejo do governo, fazendo a verdadeira inclusão digital com a banda larga e não com um acesso à internet discado por telefone, como querem as teles. Esta tecnologia já está ultrapassada e a população não quer mais isso. Em minha opinião, nenhuma das metas propostas para a banda larga no primeiro PAC foram alcançadas”, ressalta Santos.

materia03_1.jpg
Horácio Belfort, presidente da ABUSAR

Horácio Belfort concorda que as metas previstas na primeira versão do PAC não foram cumpridas, mas representou um estímulo para o setor. “As metas não foram totalmente cumpridas, mas significaram um grande estímulo, que beneficiou os consumidores, especialmente os mais desfavorecidos, monetária ou geograficamente”, acredita.

Eletroeletrônica

O PAC 1 tinha a preocupação de reduzir o déficit comercial do setor eletroeletrônico. A proposta era reduzir para 30% a penetração de importações de TICs do complexo eletrônico até 2011, com o intuito de fortalecer a indústria nacional. Mas não conseguiu o efeito desejado, segundo o governo, porque o setor foi atingido pela crise mundial de 2009. Com a recuperação econômica, a importação de componentes voltou em um ritmo acima do desejado. Foi o que apontou a Associação Brasileira da Indústria Elétrica Eletrônica (Abinee) através de um levantamento, mostrando que, em janeiro deste ano, o déficit da balança comercial de produtos eletroeletrônicos ficou 42% acima do registrado no mesmo período de 2009 - de US$ 1,32 bilhão para US$ 1,86 bilhão.



Google

Digite os termos da sua pesquisa
   
Enviar formulário de pesquisa 

Web www.abusar.org
KoriskoAnim.gif

Internet Segura

Teste a qualidade de sua conexão Internet

abusarXspeedy.jpg (29296 bytes)

AGE - OSCIP

Limite de Download

DICAS

Você pode ser colaborador da ABUSAR
Envie seu artigo, que estudaremos sua publicação, com os devidos créditos !

Compartilhamento de Conexão

Alteração de Velocidade

Mudança de Endereço mantendo o Speedy Antigo

Cancelando o Speedy

Comparação entre Serviços de Banda Larga

Qual a melhor tecnologia da banda larga?

Como saber se seu Speedy é ATM, Megavia, PPPOE ou Capado (NovoSpeedy)  

Guia para reduzir gastos Telefônicos

Economizando Megabytes em sua Banda Larga

"Evolução" dos Pop-ups do Speedy

SEGURANÇA

Crimes na internet? Denuncie

Segurança antes, durante e depois das compras

Acesso a bancos
Uma ótima dica, simples mas muito interessante...

Curso sobre Segurança da Informação

Uso seguro da Internet

Cartilha de Segurança para Internet
Comitê Gestor da Internet

Guia para o Uso Responsável da Internet

Dicas de como comprar
com segurança na internet

Site Internet Segura

Dicas para navegação segura na Web

Proteja seu Micro

DISI,jpg
Cartilha de segurança para redes sociais

Cartilha de segurança para Internet Banking

Cartilhas de Segurança CERT

  1. Segurança na Internet
  2. Golpes na Internet
  3. Ataques na Internet
  4. Códigos Maliciosos (Malware)
  5. SPAM
  6. Outros Riscos
  7. Mecanismos de Segurança
  8. Contas e Senhas
  9. Criptografia
 10. Uso Seguro da Internet
 11. Privacidade
 12. Segurança de Computadores
 13. Segurança de Redes
 14. Segurança em Dispositivos Móveis

Proteja seu PC
Microsoft Security

AÇÃO CIVIL PÚBLICA - MPF
HISTÓRICO
- Processo - Réplica - Quesitos - Decisão

Quer pôr fotos na Web e não sabe como?

Mantenha o Windows atualizado (e mais seguro) !

Tem coisas que só a telecômica faz por você !

Terra

Rodapé


Fale com a ABUSAR | Escreva ao Webmaster | Material de imprensa
Copyright © 2000 - 2009 ABUSAR.ORG. Todos os direitos reservados.
Termos e Condições de Uso
www.abusar.org - www.abusar.org.br

 Search engine technology courtesy FreeFind